Freguesia
Noticias
História
Galeria
Tradiçoes
Locais de Interesse
Informações
Localização
Livro de visitas
Autarquia
Orgaos autárquicos
Obras
Painel informativo
Contração pública
Heráldica
Contactos
 
 
Notícias
Deliberação de extinção da freguesia pode ser impugnada

A reorganização administrativa poderá ter efeitos na freguesia de Canedo, ao contrário do que era expectável e do que era geralmente defendido em todo o município de Ribeira de Pena. As orientações gerais que sustentam o projecto da reforma administrativa apontam para a redução de sete para cinco freguesias e, praticamente desde o início do processo, o senso comum ditava que Canedo seria inalterável, dada a distância para a sede do concelho e os prejuízos que qualquer mudança acarretaria para a população.
Contudo, a Assembleia Municipal de Ribeira de Pena terá deliberado, a 26 de Julho, ir mais longe para além do que estava definido no memorando com a troika. Primeiro surgiu uma proposta para que o município tivesse apenas três freguesias, a qual também não colocava em causa a continuidade de Canedo; por fim, foi votada e aprovada a proposta que defende a existência de apenas duas freguesias, Cerva (com Limões e Alvadia) e Salvador (anexando Santa Marinha, Santo Aleixo e Canedo).
A falta de palavra de muitos responsáveis políticos, que decidiram o contrário do que haviam comunicado ao presidente da Junta de Freguesia de Canedo, levaram este autarca a abandonar a Assembleia Municipal. “Houve uma primeira reunião com a oposição [PS], mas não houve acordo. O que ficou assente, logo após essa reunião, é que ficariam três [das sete] freguesias. Sempre me opus ao processo, porque Canedo nunca poderia ser anexada”, explica Guilherme Barreiro.
Quando essa reunião de 26 de Julho iniciou, o presidente da Junta de Freguesia entrou confiante de que “era consensual que Canedo seria excluída” das alterações, sobretudo por causa “das condições geográficas, pois há aldeias que ficam a mais de 30 quilómetros da sede do concelho”. Como ficaria “incomportável” para a população ter de percorrer tamanha distância para resolver qualquer assunto, a aprovação da proposta de redução do município a duas freguesias surpreendeu o autarca, que de imediato abandonou a Assembleia.
Logo no dia seguinte, um grupo de cidadãos deslocou-se aos paços do concelho para manifestar, junto dos presidentes da Câmara e da Assembleia, a discordância perante a deliberação aprovada na véspera. “O presidente da Assembleia concordou que tínhamos razão, que Canedo era para manter, e acrescentou que iria marcar uma reunião para resolver o problema”, recorda Guilherme Barreiro. Contudo, “a maioria disse que já estava definido”.
Assim, à freguesia de Canedo resta a via jurídica. “A deliberação foi aprovada por voto secreto, o que é ilegal, e como eu abandonei a Assembleia fiquei em posição para impugnar a deliberação”, explica o presidente da Junta, embora complementando que deu mais alguns dias ao presidente da Assembleia (a pedido deste) para que seja possível encontrar uma solução.



[ voltar ]
[+|-] Energica